Um dos casos clássicos da Ufologia Mundial ocorreu em 10 de setembro de 1954 em Quarouble, na França. Na ocasião um disco voador pousou nas proximidades da residência de um vigia deixando vários vestígios físicos de sua passagem.


Representação do caso Quarouble

Introdução
Em 1954 ocorreu um dos mais importantes casos de pouso de disco voador registrados na Ufologia Mundial. Este evento ocorreu em Quarouble, perto de Valenciennes, norte da França, no dia 10 de setembro do mesmo ano. O protagonista do caso, o ex-marinheiro Marius Dewilde,   morava próximo à passagem de nível 79 da ferrovia Houllieres Nationales, próximo à fronteira com a Bélgica. Marius estava lendo ao lado da lareira enquanto sua esposa e seu filho já dormiam. Por volta das 22:30hs o cachorro Kiki começou a latir furiosamente do lado de fora da casa. A testemunha de imediato pensou que tratava-se da ação de ladrões atacando seu galinheiro, então pegou sua lanterna e saiu para verificar.
Chegando ao jardim ele percebeu que havia uma sombra sobre a via férrea, a apenas 6 metros da porta da casa. Marius pensou que algum vizinho havia parado uma charrete. Foi então que o seu cachorro apareceu rastejando assustado. Logo em seguida ele ouviu sons de passos apressados. Imediatamente seu cachorro começou a latir nesta direção. Marius acendeu e apontou sua lanterna na direção do barulho iluminando dois pequenos seres de aspecto estranho. Eles estavam a apenas quatro metros da testemunha e se dirigiam apressadamente em direção à sombra que estava posicionada sobre a linha férrea. Ambos vestiam uma espécie de escafandro, com capacete. Tinham aproximadamente um metro de altura e ombros largos.
Marius correu em direção aos seres com a intenção de capturar uma das criaturas. Quando estava a menos de 2 metros de uma das criaturas a estranha massa sombria sobre a ferrovia emitiu um facho de luz na testemunha que ficou paralisada. A seguir o protagonista assistiu atônito os estranhos seres entrando no objeto que decolou silenciosamente em seguida. Pouco tempo depois ele recuperou os movimentos e assustado voltou para casa. Chegando lá acordou sua esposa relatando a história. Pouco depois ele procura um vizinho que o aconselha a ir até a polícia de Onning a 2 km dali. Os policiais que a princípio o tomaram por louco. Então ele resolveu procurar o comissário de polícia Gouchet para quem relatou o ocorrido. Este, vendo que a testemunha estava pálida, assustada e com problemas fisiológicos decorrentes do episódio pediu uma investigação da Polícia Aérea e da Direção de Segurança do Território (D.S.T).
A investigação começou imediatamente ainda naquela noite. Um fato interessante ocorreu precisamente no momento em que os investigadores encontravam-se no local. Um trem de carga aproximou-se e ao passar no local onde o objeto estivera pousado ocorreu um forte estrondo. O maquinista parou a locomotiva e foi verificar o que teria acontecido. Ali, maquinista, pesquisadores e a testemunha perceberam que havia uma depressão nos trilhos em uma área de 6 metros. O maquinista tentou usar um telefone próximo para avisar a central mas este apresentou defeito. Este telefone era movido à bateria e estava em perfeito funcionamento antes do episódio testemunhado por Dewilde. Curiosamente sua lanterna que também era alimentada por bateria apresentou defeito após o episódio.
No dia seguinte os investigadores retornaram ao local e descobriram novas evidências a favor do caso. Esta investigação apurou que não haviam marcas de pegadas no local devido ao solo duro em todo o ambiente, mas havia marcas nos trilhos em cinco pontos diferentes. Estas marcas tinham 4 cm² cada uma, divididas em 3 trilhos. Elas assemelhavam-se à chanfraduras provocadas por corpos de seção retangular e que comportavam até um bisel de penetração, sendo que foi exercida uma força de 30 toneladas sobre a madeira dos trilhos. Estas marcas eram simétricas.
No empedramento do balastro haviam marcas enegrecidas precisamente no local exposto à parte inferior do objeto que pousou no local. As pedras coletadas no local apresentavam-se calcinadas, fragmentando-se facilmente, enquanto que pedras coletadas em outros locais próximos estavam normais.
Em pesquisas na região descobriu-se que várias outras pessoas avistaram um estranho objeto voador avermelhado no mesmo horário em que o Sr. Marius observou o objeto e seus tripulantes. Com o passar dos dias Marius apresentou problemas respiratórios e seu cão Niki morre misteriosamente. Além de Niki, 3 vacas em uma fazenda próxima morreram misteriosamente. Foram realizadas autópsias para apurar a causa da morte e descobriu-se que as três não apresentavam sangue em seus corpos.
Marius Dewilde, na época do contato

Casa de Marius Dewilde, ao lado da via férrea (demolida anos depois)

Dewilde durante a investigação do caso. Em nenhuma das entrevistas posteriores houve contradições em seu depoimento, mesmo décadas depois

Com a divulgação do caso, vários curiosos passaram pelo lugar


Digital copy of item 1948052
Vários jornais divulgaram o caso na época. O ultimo à direita é encontrado no arquivo ufológico do governo da Austrália [clique pra ampliar]

Marius indicando as marcas deixadas pelo objeto

Em destaque as marcas produzidas pelo OVNI

Representação dos alienígenas descritos pela testemunha

Amostra de metal derretido encontrado no local do pouso. Análises indicaram que eram compostas de magnésio em alto grau de pureza

Amostra de metal derretido encontrado no local do pouso. Análises indicaram que eram compostas de magnésio em alto grau de pureza

Vídeo

Créditos
Jackson Luiz Camargo